As flores e cores da Artista Plástica Bebel Franco

Olá!

Tudo bem por ai? Tomara que sim!

Sigo no Instagram e no Pinterest a Artista Plástica Bebel Franco, de quem sei pouca coisa, mas cujas cores me encantam. Estou na fase das cores fortes.

Então, esse domingo vai ser um pouco diferente. No lugar imagens de plantas e flores “naturais”, vou presentear vocês com as flores dessa artista multicolorida.

Tomara que essa seleção tenha feito brilhar os olhos de vocês.

Quem ainda não conhecia e quiser saber mais e/ou se deliciar com outros trabalhos da artista pode começar visitando o Instagram, o Pinterest e o Blog da Bebel Franco.

Desejo um BOM DIA PARA TODO MUNDO DO MUNDO TODO!

Abraços!

Neusa, a Vó.

Anúncios

Se é para errar, que ao menos, sejamos originais

Olá!

Tomara que tudo esteja bem por ai.

Tipo assim, nos últimos dias eu mais pari crias que escrevi ou falei… Parecia não tinha nada pra dizer que pudesse interessar a quem quer que fosse. Acho que todo mundo passa por fases assim, uns mais outros menos.

Mas, não falar e não escrever não significa não pensar né?!

Enquanto estou a parir minhas crias artesanais um monte de coisas vai passando pela cabeça… Lembranças e ideias que nem sempre estão diretamente conectadas umas com as outras. São pensamentos soltos… Mas, que no fundo, vão me indicando alguns novos caminhos possíveis.

Uma das lembranças que me veio à cabeça nesses dias de clausura foi a de que por muito tempo usei essa música  com alunos do ensino fundamental e médio. Sempre achei que era uma boa e descontraída forma de começarmos a estudar história.

Afinal, não é isso mesmo?… “Nada do que foi será / De novo do jeito que já foi um dia” e, ao mesmo tempo, se não tomarmos cuidado, estaremos sempre repetindo erros que podem nos fazer cada vez mais mal(ou seja, as consequências nunca serão iguais). Isso vale para tanto para nossas histórias pessoais como para as da coletividade .

Outro papel importante de nossas memórias históricas é o de nos ajudar a perceber, especialmente em momentos de crise, baixo astral e dúvidas, que, em geral, vivemos no presente situações melhores do que muitas vividas no passado. Vamos combinar que isso é quase uma regra, ainda que o no presente tenhamos que conviver com as perdas e o acúmulo de responsabilidades.

Por isso  importância de não abrirmos mão do nosso passado individual e/ou social. Guardar o passado em algum canto da memória, não para nos torturarmos, mas para podermos seguir em frente de cabeça erguida e com a vantagem de que os erros, que com certeza continuarão a ser cometidos, sejam novos erros e não cópias mal feitas dos já vividos. Se é para errar, que ao menos sejamos originais 🙂

Ah! Claro que vou mostrar as crias… Aguardem o próximo post. Mas, a título de provocação, aqui vai um aperitivo

DSCF8085

Desejo que esse seja UM BOM DIA PARA TODO MUNDO DO MUNDO TODO.

Abraços

Neusa, a Vó!

Amo flores nas janelas

Olá!

Tudo bem por ai? Tomara que sim!

Estou sempre falando do quanto gosto de plantas e do bem que faz ter elas por perto. Fico com medo de passar a impressão de que sou uma boa cuidadora de plantas. Não sou!

Mesmo gostando de comprar novas mudinhas de plantas, a maioria não vai pra frente. Aqui em casa o que “funciona” mesmo são as plantas que praticamente sobrevivem sozinhas.

Acho que o problema já começa com o fato de que as plantas que hoje encontramos para comprar são produzidas para durarem pouco e cada tipo necessita de um tipo de produto químico específico que irá garantir sua vitalidade durante seu curto círculo de vida. Na verdade a coisa já começa com o fato de “comprarmos mudas” né! Nos antigamente a gente ganhava / pedia / roubava mudas da vizinhança.

Como já comentei aqui no blog, o único fertilizante que eu uso é o fertilizante orgânico feito da mamona.

DSCF8286

Este foi o que comprei dessa vez. Mas eu ainda não sou fiel a marcas, só ao tipo de produto.

DSCF8287

É que não vejo muito sentido em sendo vegetariana usar nas minhas plantas fertilizantes que tem entre seus componentes “farinhas de osso” por exemplo;  também acho estranho usar nas plantas fertilizantes que, para sua produção causam danos à natureza, como é o caso de quase tudo que é produzido pelas industrias químicas mundo a fora. Ah! Eu também, sempre que é possível, prefiro me tratar com homeopatia.

Não estou dizendo que os produtos que uso são todos “santos”, eu sei que não. Mas ao menos faço um esforço para diminuir o impacto dos males que a minha existência causa ao mundo à minha volta. Sou das que acredita que existem ações que, apesar de começarem como atos mais simbólicos que práticos, ajudam a mudar/melhorar o mundo. É como eu disse ontem Somos pouco, muito pouco, quase nada… Mas podemos e devemos fazer e ser a diferença!

Mas, insisto, eu adoro o colorido das flores. Quem sabe um dia não faço um curso de jardinagem “orgânica”. Em quanto isso vou me divertindo com meu “matinhos” mesmo e, embora não seja muito coerente com as minhas práticas, vou me deliciando com as belas imagens que encontro na Internet. Digo que não é coerente porque muitas dessas plantas que acho lindas só ficaram assim às custas de muita química 😦 Mas eu também não sou santa né!!!!!

Hoje vamos novamente de janelas floridas (já fiz um post com esse tema aqui). Acho lindas e estou na luca para encontrar o que funciona nas minhas duas janelas dos quartos. Uma delas, apesar de ser bastante clara, não recebe quase nada de sol, a outra, ao contrário, convive que todo o sol da parte da tarde. Como ainda não acertei com elas, continuo viajando nas janelas alheias.

Desejo que esse seja um BOM E FLORIDO DIA PARA TODO MUNDO DO MUNDO TODO!!!

Abraços

Neusa, a Vó!

Somos pouco, muito pouco, quase nada… Mas podemos e devemos fazer e ser a diferença!

Olá!

 

Faça a coisa certa!

Não erre!

Conserta isso!!

Fez merda!

Tá errado!

Presta atenção!

Não é assim!

Você não sabe nada!

Muda isso!

Isso está horrível!

Fala direito!

(…)

São tantas regras. Cada um de nós com suas certezas. Cada um com suas verdades. E, é claro, Outro é quem sempre está errado.

E eis que vejo esse vídeo do professor Mario Sérgio Cortella:

O problema é que nós humanos, na maior parte do tempo, nos esquecemos da nossa insignificância. Nos concentramos tanto em nossos umbigos, no nosso “mundinho”,  que perdemos a noção da imensidão que nos cerca e ignora.  É um problema da nossa (des)humanidade mesmo!

A mim, me resta continuar a exercitar uma coisa que me é tão cara: o respeito às diferenças. Aliás, além do respeito, tenho muita curiosidade e admiração pelo que não é espelho.

Desejo que este seja, de jeitos muito diferentes, UM BOM DIA PARA TODO MUNDO DO MUNDO TODO!

Abraços

Neusa, a Vó!

Jardinagem também pode ter um efeito terapêutico

Olá!

Tudo bem por ai? Tomara que sim!

Gente, só para variar, estou passando por uma fase de rever ideias e e objetivos. Cabeça sempre inquieta e querendo sabe-se lá o que. Isso, no meu caso, sempre resulta de sintomas físicos e alteração de humor. Acho que com o aniversário, que acabou de acontecer, a coisa ficou ainda mais complicada (seria o tal Inferno Astral?). Como dizem por ai, não é fácil se quem somos.

Essa “agonia” em busca de novos horizontes tem me tirado um pouco o desejo de escrever. Tenho bordado, costurado, plantado, arrastado e pendurado… Mas estou escapando de compartilhar por aqui. Se por um lado é ruim porque o o Blog fica um pouco parado, penso que tem o lado bom que é o de estar armazenando coisas na cabeça e no coração… Uma hora isso vem à tona. Talvez na primavera né!

Porque vocês podem não acreditar, mas ela, a primavera, está quase chegando. É sério gente, num piscar de olhos setembro estará entre nós 🙂

E… dizem os especialistas que esta é uma boa época para plantar e replantar… Acho que quem ainda está enrolando para começar a cultivar uns vasinhos, ou quem anda deixando meio abandonados os que já tem, devia começar a se preparar para colocar seu lado jardineiro para funcionar a todo vapor.

Mão na terra 01 Mão na terra 03 Mão na terra 04 Mão na terra 05 Mão na terra 06 Mão na terra 07 Mão na terra 08 Mão na terra 09

Mão na terra 11

Mão na terra 10

Mão na terra 12

Vocês já devem ter ouvido falar que colocar as mãos na terra – no meu caso literalmente, sem usar luvas –  é uma forma de terapia. … Ajuda no tratamento de doenças físicas e da mente.

Reza a lenda que foi no contato com a natureza que Van Gogh encontrou alguns dos seus momentos menos aflitivos e, também, mais criativos.

vah gogh_mãos na terra 2

Oliveiras com o céu amarelo e o sol. Pintado em novembro de 1889, durante uma das várias internações de van Gogh no sanatório de Saint-Rémy.

vah gogh_mãos na terra

IRIS, o quadro foi pintado apenas um ano antes da morte de Van Gogh em 1890. Ele estava internado num asilo em Saint-Rémy-de-Provence e acreditava que continuando a pintar evitaria ficar doente.

Desejo do fundo do meu inquieto coração que esse seja UM BOM DIA PARA TODO MUNDO DO MUNDO TODO.

Abraços

Neusa, a Vó!

Ah! Como sempre, clicando nas imagens vocês serão direcionados aos lugares de onde as recolhi. Também queria dizer que o fato de eu coletar as imagens em alguns sites e blogs não significa necessariamente que concordo com seus conteúdos/ideias.

Verde que te quero em casa

Olá!

Tomara que tudo esteja bem por ai.

Já faz um tempinho que não posto imagens de plantas dentro de casa… Aliás, aqui em casa também elas estão faltando. Embora eu já tenha prometido um monte de vezes mudar isso a coisa continua na mesma: no quintal várias, dentro de casa nada 😦

Como esse Blog tem servido para me estimular a fazer muita coisas que nunca fiz ou que enrolo pra fazer, este post, além de procurar colorir o domingo de vocês, serve também pra ver se eu me animo esverdear o interior da minha humilde residência.

dentro de casa 01

dentro de casa 08

dentro de casa 02

dentro de casa 09

dentro de casa 03

dentro de casa 04

dentro de casa 05

dentro de casa 06

dentro de casa 07

dentro de casa 10

Assim eu vou me inspirando e espero que quem por aqui passar também se inspire.

Ah! tem mais uma coisa: às vezes vai acontecer de aparecer ideias que já mostrei em outro post… Eu me atrapalho mesmo. Mas este é um blog que, além de feito com muito carinho, serve também me divertir, então não fico cultivando a neura de conferir tudo a cada momento.

Termino desejando que esse seja um BOM DIA PARA TODO  MUNDO DO MUNDO TODO.

Abraços

Neusa, a Vó!

Sempre lembrando que ao clicar nas fotos vocês serão direcionados aos lugares de onde elas foram recolhidas.

As praças e parques podem (e devem) ser ocupados e festejados

Olá!

Tudo bem por ai? Tomara que sim!

Alguém ai participou de um piquenique no nos últimos tempos?

Sabiam que festas, piqueniques, despedidas de solteiras, chá de panelas, noivados, encontro de blogueiras e outros vários tipos de comemoração feitas ao ar livre estão na moda?

Tenho que confessar que até eu, que sou meio avessa a modismos, tenho grande simpatia por essa nova “onda”.

Não deve ser muito fácil organizar uma “FESTA” num parque público. Existem vários “contras”, mas alguns resultados parecem bem legais. Com uma rápida busca na Internet vocês encontrarão diversos relatos e dicas sobre o tema.

Festas e piqueniques podem ser de todos os tipos. Cheias de pompas ou muito simples (que são os meus preferidos), isso fica à escolha do freguês. Mas, realmente, reunir pessoas queridas ao ar livre pode ser uma experiência muito divertida e carinhosa.

Park Picnic - picnic items on grass

Piquenique 02

 

Piquenique 11

Piquenique 03 Piquenique 04 Piquenique 05 Piquenique 06 Piquenique 07 Piquenique 08 Piquenique 09

Legal né?! Que tal organizar um desses com seus amigos?

E, claro, uma coisa que não pode acontecer nunca é que os “restos” desses encontros fiquem jogados enfeiando nossas praças e parques… Que devemos deixar tudo muito limpo é uma coisa óbvia né!!!!

Desejo que esse seja um BOM DIA PARA TODO MUNDO DO MUNDO TODO.

Abraços

Neusa, a Vó!

Ah! Clicando nas fotos vocês saberão de onde as fotos foram recolhidas.